28 de mai de 2016

Parte química do componente que converte gases tóxicos do motor em vapores inofensivos pode perder a eficiência



Como todos os componentes do veículo, o catalisador automotivo necessita de verificações periódicas. Embora a peça seja desenvolvida para ter a mesma durabilidade do automóvel, a parte química, responsável por fazer a conversão dos gases tóxicos emitidos pelo motor em vapores inofensivos, pode perder a eficiência durante o tempo de uso. Se isso acontecer, o carro passa a emitir gases poluentes acima dos limites legais, gerando danos, principalmente para a saúde da população.

Fabricante mundial de catalisador, a Umicore orienta que não é recomendável aguardar a luz da injeção eletrônica acender no painel para verificar o componente. Segundo Cláudio Furlan, gerente Comercial da Umicore, a luz é um indício que o catalisador está completamente comprometido, ou seja, não está mais realizando a conversão dos gases de forma eficiente.
Para ter uma ideia, o índice de poluição na cidade de São Paulo é duas vezes superior do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Os dados fazem parte de uma pesquisa internacional que analisa a situação de 3 mil cidades ao redor do mundo. Ainda segundo a OMS, mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente por causa da contaminação do ar.

“Com a suspensão da Inspeção Veicular é necessário a conscientização do motorista e dos profissionais da reparação para a importância de verificar os componentes do veículo que impactam o sistema de emissões”, diz ele. O executivo recomenda revisar o veículo em oficina mecânica de confiança, que possua as ferramentas necessárias para o correto diagnóstico. O scanner automotivo é uma peça fundamental. O utensílio lê o código armazenado na central do veículo, que funciona como um computador, registrando dados, incluindo falhas de sistema.

“É recomendável que o diagnóstico do catalisador seja realizado aos 80 mil quilômetros e depois anualmente. O intuito é averiguar se há algum código de falha dos componentes do sistema de emissões, como sensores, sonda lambda e sistema de ignição, que podem abreviar a vida útil do catalisador automotivo”, complementa Furlan.

Peças genuínas
Segundo o gerente Comercial da Umicore, os carros produzidos depois de 2010 possuem diagnóstico a bordo (OBD), permitindo uma análise mais precisa do catalisador. Além disso, é necessário que o profissional tenha um bom conhecimento técnico para interpretar corretamente o código de falha. Se for constatada a necessidade da troca, o consumidor deve exigir catalisadores homologados pelo INMETRO, o que garante a procedência e evita a instalação de equipamentos falsificados. Um catalisador homologado custa de R$350,00 a R$1.350,00 dependendo do modelo do veículo. Outra dica importante é desconfiar de preços abaixo do mercado.

Outro fator que pode abreviar a durabilidade do catalisador é o abastecimento com combustível adulterado. Substâncias inadequadas presentes em óleos lubrificantes de má procedência também podem comprometer o componente.

Categories:

Receba as atualizações do Blog Carburado gratuitamente por e-mail:

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

1 - Todos os comentários serão moderados.
2 - Comentários com ofensas e vocabulário de baixo nível não serão aprovados.
3 – Comentários com ofensas a outros comentaristas não serão aprovados.
4 – Na medida do possível a havendo necessidade os comentários serão respondidos.
5 – Spans e propagandas não serão aprovados.
6 – O sistema de comentários possui um campo para website favor usar este campo pois só serão aprovados comentários com referencias para outros sites caso este for muito relevante.

Related Posts with Thumbnails

Receba as atualizações do Blog Carburado gratuitamente por e-mail:

Procurar

Inscreva-se no RSS Feed Siga o Carburado no Twitter!